04 jun

5 procedimentos para controles internos

Quando saímos para trabalhar; trancamos as portas da nossa casa? Trancamos as portas do nosso automóvel ? Quando a fatura do cartão de crédito chega, nós a revisamos, para verificar se está tudo a contento ? Caso respondemos sim, para pelo menos, uma das indagações acima, realizamos o que chamamos de Controle Interno.

Controles Internos, tem a função precípua de minimizar os riscos !

No caso das indagações elucidadas acima, esses riscos podem ser de que, algum desconhecido entre na nossa casa, que nosso automóvel  seja roubado ou que, paguemos uma conta ou um valor que não seja de fato , de nossa competência.

No ambiente empresarial – corporativo, ou mesmo nos escritórios de advocacia, que atualmente estão se estruturando, face às novas tecnologias e tendências disruptivas; controles internos protegem os ativos, garantem a precisão dos dados financeiros e econômicos ( DFC, DRE, Balanço Patrimonial ), promovem a eficiência operacional e encorajam a aderência às políticas, regras, regulamentos e leis, além de passarem segurança aos CEOs e CFOs para tomarem decisões, que necessitam ser cada vez mais assertivas.

De acordo com o American Institute of Certified Public Accountants, o AICPA (ou, em bom português, o Comitê de Procedimentos de Auditoria do Instituto Americano de Contadores Públicos Certificados), controle interno é:

“O plano da organização e todos os métodos e medidas coordenados, aplicados a uma empresa a fim de proteger seus bens, conferir a exatidão e a fidelidade de seus dados contábeis, promover a eficiência e estimular a obediência às diretrizes administrativas estabelecidas”.

Em grandes corporações, empresas de todos os tamanhos e escritórios em geral, em sua essência; Controle Interno é, um processo que busca proporcionar grau de confiança para concretizar os seguintes objetivos :

  • Eficácia e eficiência dos recursos;
  • Confiabilidade das informações financeiras e;
  • Cumprimento das leis e normas estabelecida.

Dessa forma, podemos enfatizar que, com Controle Interno, as companhais executam medidas sistemáticas para que:

  • O negócio seja conduzido de forma ordenada e eficente,
  • Recursos e Ativos, sejam salvaguardados,
  • Erros, fraudes e roubos, sejam detectados, minimizados e eliminados,
  • Dados contábeis sejam auferidos e mantidos com precisão e integridade
  • Informações Financeiras, Econômicas e Contábeis ( DFC/DRE/DMPL/DOAR/BP, etc. ) sejam fidedignas e transparentes.

A relevância do Controle Interno nas empresas e escritórios em geral

Implementar  Controles Internos em  empresas e ou escritórios, significa implementar medidas que protejam os dados financeiros, econômicos e contábeis. Isto posto, companhias, empresas e  escritórios; que adotam essas boas práticas têm, com exatidão, informações para apoiar gestores e líderes :

  •  No aperfeiçoamento de suas operações, focando objetivos a serem atingidos e;
  •  No aprimoramento da eficiência dos processos em si, focando redução de custos e melhorias contínuas dos resultados.

Assim, o objetivo primordial é aprimorar a exclência na gestão empresarial e tornar o negócio mais competitivo. Para isso, adotar  Príncípios de Controles Internos, assegurará ao seu escritório e ou companhia, assertividade e legitimidade.

Princípios de Controles Internos são procedimentos adotados para:

  1.  Estabelecimento de responsabilidades – Quando existe um responsável por cada tarefa / processo, fica mais transparente e fácil o gerenciamento das atividades, bem como, atribuir responsabilidades por eventuais erros;
  2.  Procedimentos Documentados – Todas as atividades devem ser formalizadas e isso inclui, obviamente, os registros financeiros e contábeis das transações;
  3. Autorização de Transação – Balizados por este tópico, os pagamentos só podem ser realizados após a autorização de um responsável, que dará cunho e teor de assertividade ao referenciado pagamento.
  4. Segregação de Funções – No intuito de minimizar e coibir situações análogas, as funções devem ser elencadas de modo a não impactar em conflito de atividades, ou seja, quem paga não recebe, que registra contábilmente, não registra financeiramente e assim, sucessivamente.
  5. Controles Físicos, Supervisão e Análises Regulares – Câmeras de vídeo, controle eletrônico de ponto, senhas em computadores e afins, bem como, supervisores funcionais, orientados , que controlam bem e com assertividade as operações, e análises temporais, perfazem um rol importantíssimo, que asseguram sinergia nos processos e garantem eficiência na gestão.

Portanto, pense muito bem … Se você possui um escritório de advocacia, uma empresa, a ideia é agregar valor aos negócios e por conseguinte, que os mesmos, sejam rentáveis, lucrativos e perenes ; e para tanto, é fundamental que Controles Internos sejam implementados, evitando adversidades e desgastes.

 

Um Abraço,

Marçal Andrade
Controller LOGJUR

related posts

add a comment